10 de fevereiro de 2008

Sunrise Carménère 2004


Vinícula: Concha Y Toro
Safra: 2004
Uvas: 100% Carménère
País: Chile
Região: Valle Central
Graduação: 13%
Temperatura: 15-20
Notas da vinícula: Los viñedos de Sunrise reciben casi 300 dias de so al año, permitiéndole a sus vides alcanzar una mdurez excepcional logrando um vino profundo y de caracter unico. Este Carménère es de color granate intenso con notas violáceas. Tiene un fresco aroma a fresa y frambuesa. Cuerpo medio y elegante.

Onde Colhi: Gustare
Quando Colhi: 04/01/2008
Valor Pago: R$ 19,50
Onde degustei: Em casa.
Quando degustei: 08/01/2008
Participantes: Guilherme e Susana
Meus comentários:
Este vinho é um exemplo de como a temperatura adequada transforma totalmente o vinho. Assim que abri para decantá-lo para aeração, tirei meia taça na temperatura ambiente, senti o aroma e provei, pensei comigo "este vinho vai ser um desastre", excesso de álcool, quase sem aromas, e bastante desequilibrado. Mas depois da decantação (40 minutos) e na temperatura adequada, o vinho se transformou. Possui cor rubi com tons violáceos, várias pernas se formaram na taça. Aromas abundantes e bem doces, geléia de frutas vermelhas, um pouco de madeira, álcool não era presente. Vinho com bom corpo, retrogosto de médio a longo, muito agradável. Taninos macios, boa acidez, um vinho equilibrado. Bem pouca adstringência e um vinho que mancha bastante os dentes. Um aroma de "fundo de copo" muito bom (especiaria e baunilha). Pela informação do site do produtor 40% do vinho passa por barricas de carvalhos de 3 anos de uso durante 4 meses. Muito obrigado ao Blog Viva o Vinho pela dica, o qual gostei bastante, e é da uva preferida da minha esposa. Harmonizado com pizza napolitana.

Nota: 4 taças e meia : EXCELENTE

5 comentários:

goles & nacos disse...

Oi!!

é o Reservado sim... não posso negar que tenho uma queda por chilenos, sobretudo do Concha y Toro. =)
sei lá... pode ser que meu paladar mude, mas, por enquanto, com toda a minha crueza, tem um custo benefício bastante agradável, sem contar algumas excelentes variedade/safra.

Aliás, sua escolha [sem decanter, claro, mas um dia chego lá!] visitou minha mesa umas três vezes em 2007. Do mesmo ano, um cabernet sauvignon; da safra 2002, um shiraz - que nunca mais encontrei. Foram apenas duas garrafas!

Quando aparecer em JF, dê um alô!
Beijos e boa semana!

Gabriel Aleixo disse...

Olá,
O vinho do mês da confraria é o ALAMOS PINOT NOIR 2006, para postagem dos comentário dia 1 de março.

Abraço e felizes degustações,
Gabriel

Gerson disse...

Olá, quanto mais leio os comentários, mais tenho certeza que vinho para ser bom mesmo, só na temperatura certa, se estiver acima da temperatura, sempre é um desastre. abçs...

Vinho para Todos disse...

Confrade, encontrei apenas a safra 2007, mas vou comentá-lo mesmo assim.
Saúde!

Leonardo De Araujo disse...

Guilherme, realmente os carménère chilenos fazem bons custo-benefício.
Acredito que no caso da Concha y Toro sempre vale a pena ir um preço acima. Prefiro o Sunrise ao Reservado.
Conaegui um guia Descorchados do Chile e a linha mais salgada (mas não a mais cara de todas) Terrunyo é muito bem avaliada pelo Patricio Tapia.
Quanto ao Sunrise Carménère, tomei o 2005 e bloguei hoje. Dê uma olhada.
Brindes, Leonardo.
http://vivaovinho.blogspot.com


PS: 1)Gosto muito da linha Santa Rita 120 (em torno dos R$35,00).
o Diego do Di Vinho Viver deu uma outra excelente dica: todos com Shiraz da Callia (Importado pela Decanter).